Mais uma vez a vaga foi decidida nos pênaltis, mas desta vez, o Brasil não teve a mesma sorte. Com 73% de posse de bola na partida, a Seleção Brasileira criou e não conseguiu furar o bloqueio da Suécia que  manteve a mesma postura defensiva adotada nas quartas de final. Nos pênaltis, a goleira Lindahl garantiu a vaga das adversárias para a final Olímpica.

Após a desclassificação, o técnico Oswaldo Alvarez reconhece a aplicação tática da Suécia e destaca a entrega das brasileiras. “Dentro da proposta de jogo delas, elas foram perfeitas taticamente. Não há o que falar. A estratégia funcionou nas quartas e agora na semi. Nossas atletas lutaram, tiveram garra, procuraram o jogo o tempo todo, mas não conseguimos concluir as finalizações”.

Vadão agradeceu todo o apoio à Seleção tanto nos jogos, quanto na fase preparatória. “Não podemos nos queixar. A responsabilidade desta derrota é toda nossa. A CBF, através do presidente Marco Polo Del Nero, deu todas as condições de trabalho pra gente. Chegamos preparados, inteiros, mas nesta fase, tudo é decidido nos detalhes. Durante a competição, tivemos o apoio incondicional do público para chegar até aqui. Agora é hora de processar a derrota e se concentrar na busca pelo bronze”.

O Brasil enfrenta o Canadá, nesta sexta-feira, às 13h, na Arena Corinthians, em São Paulo.

 

(Foto: Eugenio Sávio/AP)